Processando...

Instituto Centro Cape lança plataforma para fortalecer artesãos

Conhecido em todo o mundo pela qualidade, o artesanato mineiro mostra a força da sua união enquanto aguarda e torce pela realização da 31ª Feira Nacional do Artesanato na primeira semana de dezembro, no Expominas (região Oeste).

O Instituto Centro Cape, instituição responsável pelo evento, lançou uma plataforma para facilitar o encontro entre o consumidor e o artesão mais próximo através de uma ferramenta de georreferenciamento.

Basta que o comprador coloque o seu CEP na plataforma maosdeminas.org.br/artesao e aplique o filtro que desejar como segmento, produto ou matéria-prima, por exemplo. A partir daí, é só entrar em contato.

Segundo a presidente do Instituto Centro Cape, Tânia Machado, muitos artesãos tiveram os rendimentos reduzidos a zero já que o seu produto não é considerado de primeira necessidade e a maioria das vendas é não programada, feita por impulso.

“Você raramente sai de casa com o intuito de comprar um artesanato. Normalmente você está passeando, se encanta por uma peça e compra para si ou para dar de presente. Ao mesmo tempo, a grande maioria dos artesãos são pequenos empreendedores ou trabalhadores informais e nessa época em que as pessoas não podem sair e com os comércios fechados, eles perderam praticamente toda a renda. A única saída nesse momento é tentar tocar as vendas pela internet, mas a maioria não tem familiaridade com a tecnologia, por isso criamos a plataforma”, explica Tânia Machado.

O processo de inscrição é simples e autoexplicativo. Basta preencher os dados pessoais ou da empresa, quando existir, anexar as fotos e fazer uma pequena descrição dos produtos. Mais de 200 pessoas já tomaram a iniciativa. Os artesãos interessados devem acessar o site.

“Pedimos que os artesãos tenham atenção na hora de postar as fotos. Sabemos que muitos não estão acostumados com o mundo virtual, mas é preciso capricho. Existem muitos tutoriais na internet ensinando como fazer uma boa foto, trabalhar o enquadramento e a iluminação mesmo com poucos recursos. Vale a pena procurar informação para tornar o seu produto atrativo”, ensina a gestora.

Enquanto isso, o Centro Cape continua trabalhando na produção da Feira Nacional de Artesanato. Apesar do avanço do Covid-19 pelo País, a meta é realizar o evento em modelo híbrido, entre os dias 1º e 6 de dezembro, de maneira simultânea no Expominas e na internet.

Quando a feira estiver montada será filmada em 360 graus e editada para a internet. No site o consumidor vai poder visitar todos os estandes, conhecer e escolher os produtos e entrar em contato direto com os artesãos. São mais de quatro quilômetros de corredores e mais de 20 mil produtos.

O site não será um marketplace. Os visitantes não farão compras diretamente através dele. O site ficará no ar até novembro de 2021, permitindo que consumidores e lojistas conheçam artesãos e produtos durante todo o ano que vem.

“Antes disso, porém, queremos fazer uma prévia com 40 estandes. Vamos montar uma minifeira em um cantinho do Expominas e fazer a transmissão nos mesmos moldes do que está planejado para dezembro. E os expositores até agora confirmados já estão no site da feira para quem quiser conhecê-los”, completa a presidente do Instituto Centro Cape.